sexta-feira, 22 de abril de 2016

2. VOSSA TAREFA É DIFÍCIL

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.


2. VOSSA TAREFA É DIFÍCIL

Vossa tarefa é difícil porque a criança é possibilidade tanto para o bem como para o mal. Nela, como em todo homem, há tendências más que é preciso neutralizar, e tendências boas que é preciso descobrir, suster, encorajar.
• Vossa tarefa é difícil porque se realiza muitas vezes em duras condições. Para inúmeros pais a exiguidade de alojamento, as dificuldades de encontrar ajuda, os horários do trabalho externo, complicam singularmente a tarefa e roubam freqüentemente o tempo de pensar com calma nos problemas que toda educação suscita. Eles se reduzem a agir sob a influência dos impulsos ou da rotina, deixam de surpreender-se quando perdem pouco a pouco a autoridade e mesmo — sem que se apercebam — a confiança dos filhos.
• Vossa tarefa é difícil porque não há método nem receita infalível que sirva para tudo. Decerto, há princípios de bom-senso e de experiência que é preciso conhecer (tantos pais os ignoram!), mas cada criança é um caso isolado. Ainda mais, a criança é um contínuo transformar-se, e por conseguinte, para a mesma criança, ao número de anos corresponde o de outros tantos comportamentos diversos.
• Vossa tarefa é difícil porque nem sempre é fácil compreender a criança, saber exatamente o que se passa dentro dela. As reações infantis nem sempre são imediatas, algumas se fazem sentir retardadamente. De quando em quando nos surpreendemos com as repercussões longínquas de um gesto, de uma palavra, de um incidente aos quais nós, adultos, havíamos deixado de dar importância.
• Vossa tarefa é delicada porque os desvios de rota, imperceptíveis no começo, ameaçam, se não lhes imprimimos, em tempo útil, retificações oportunas, transformar-se em becos sem saída que se traduzem por obstruções de confiança ou oposições latentes que explodirão hoje ou amanhã.
• Não se educam as crianças de hoje nas mesmas condições de outrora. O mundo evolui em cadência acelerada, principalmente depois de guerras que se multiplicam. As aplicações técnicas das descobertas científicas imprimem às nossas vidas ritmo por vezes inumano.
No mesmo meio social há mais diferença entre as condições de vida da criança de hoje e as dos seus pais quando também o eram, do que entre as dos seus pais e as dos seus avós.
• Se não prestarmos atenção, alargar-se-á muito depressa o fosso entre as gerações. As próprias palavras correm o risco de não mais ter o mesmo sentido.
• Se a tarefa da educação é difícil e delicada, cumpre, entretanto, evitar o desânimo e o pessimismo. Decerto não há panaceias universais, do mesmo modo que não há crianças idênticas; como quer que seja, há princípios gerais cujo conhecimento e cuja aplicação evitam numerosos equívocos.
• É preciso buscar conhecer esses princípios, frutos da experiência, e da observação, mas também de um estudo aprofundado da natureza psicológica da criança através dos diferentes estágios de sua evolução.
Mas, é preciso ainda colocar problemas... Conhecemos pais sempre inquietos quando se trata da saúde física dos filhos, e que jamais formulam questões quando se trata de sua higiene mental e de sua formação moral.
 • Eis um fato: raros são ainda os pais que se preocupam com os problemas de educação. Alguns nem sequer lhes suspeitam a existência. Outros os resolveram por antecipação, seja com brutalidade, seja pela abdicação erigida em sistema.
• Mas, há felizmente outros — e entre esses vos incluo, leitor amigo — que sentem muito bem a necessidade de aprender. Atenção, contudo! Não há manual capaz de suprir a reflexão pessoal e a intuição maravilhosa do amor verdadeiro que procura, acima de tudo, o bem da criança às expensas, se necessário, de nossa tranquilidade pessoal.
• Muitos pais se desinteressam pela formação moral dos filhos. Dão-lhes roupas, alimentos, mas não têm bastante cuidado com os seus espíritos e almas. Por vezes, os abandonam ostensivamente aos próprios impulsos. Uma mãe fala sobre o filho: “Proibi-o de fazer isso, mas tal foi a sua raiva que na próxima vez não proibirei mais.” — Ou então se demitem inteiramente da função que lhes cabe em benefício dos educadores profissionais. Eis outra mãe que leva ao mestre o filho choramingas: “Castigue-o, por favor, que já não o aguento mais.” — Por outro lado, quando os educadores conscienciosos apontam aos pais algum defeito das crianças que lhes foram confiadas, alguma insuficiência no trabalho, alguma infração à disciplina, em vez de testemunharem gratidão pela ajuda que lhes é assim fornecida, os mesmos pais assumem imediatamente a defesa do filho e não trepidam em demolir a necessária autoridade daqueles cuja orientação pediram.
• A educação é uma ciência e uma arte das mais delicadas. Nos animais basta o instinto. No homem, é preciso um esforço de inteligência e de reflexão.
• Não se construiria uma casa sem estudar arquitetura; não se educa uma criança sem aprendizagem. Aprende-se a arte de selecionar as plantas e os animais, não a de educar um filho. Educar é também cultivar; ninguém se intitularia horticultor sem se informar e se instruir. No entanto, improvisam-se educadores! Trata-se de exercitar um espírito, uma vontade, um coração: não se empregaria um monitor de ginástica sem certificado, e nenhum certificado é exigido para modelar e desenvolver uma idéia, um plano, mas de modo algum a iniciar uma vida jovem! Educar é polir, ornar: ninguém se intitula joalheiro, pintor ou escultor senão depois de longa preparação; mas para modelar uma alma vai-se de qualquer jeito! Educar é fortificar: só se chega a ser médico do corpo depois de longos estudos, mas há quem oriente, quem cuide dos espíritos e dos corações sem haver aprendido ou exercido esse ofício difícil![1]
• Citemos as palavras de Sua Santidade o Papa Pio XI na Encíclica Divini illius Magistri
• “Tudo o que é emprego, profissão da vida temporal e terrestre, certamente de menor importância, vê-se precedido de longos estudos e de cuidadosa preparação. Enquanto que para o emprego e para o dever fundamental da educação dos filhos muitos pais, hoje em dia, se mostram nada ou pouco preparados, mergulhados que estão em suas preocupações temporais.”
• Não pensais que deviam multiplicar-se as escolas de pais onde, sem pedantismo, sem frases eruditas, sem ouvir tratar a criança normal como um anormal que se ignora, os jovens casais poderiam aprender os princípios elementares da educação?
• Em todo o caso, o que importa para todo educador é jamais perder a cabeça, mesmo se o seu papel é difícil. Algumas “ratas” ou faltas de jeito esporádicas não têm importância porque a perfeição não é deste mundo, o essencial é que essas “ratas” ou maus jeitos não sejam o pão cotidiano, como se verifica infelizmente amiúde.
• Em certas horas difíceis, o pensamento de que Deus é o grande mestre das almas vos sugerirá chamá-lo em vosso auxílio. Tendes um direito certo à Sua luz, e Sua ação completará, no próprio interior da alma de vossos filhos, os esforços que fareis para agir segundo o Seu amor. 
  • Não esqueçais também os protetores de vossos filhos. Sua força depende do apelo que lhes fizerdes. Recorrei a Nossa Senhora que é, no sentido mais profundo da palavra. Mamãe de suas almas; ao Anjo da Guarda especificamente designado para cada um; ao Santo que vós lhes destes como Patrono; e, por fim, a todos esses avós dos quais ignorais talvez os nomes, a história, ou ainda as virtudes e os méritos, e que gozam todos — ou quase todos — da felicidade maravilhosa de poder “passar o seu céu fazendo o bem sobre a terra”; e vossos filhos, já herdeiros de tais virtudes, serão beneficiários da intercessão de todos eles na medida em que lhes solicitardes a intervenção. 


[1] Henbi Pradel, La Collaboration de la Famille et de 1’Êcole, pág. 4.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...